Espelho, espelho meu...

imagem-destaque

Um Estado ineficiente se defronta com o espelho num diálogo improvável de autocrítica, neste artigo.

– Existe no mundo um estado mais caro, ineficiente e cruel do que eu, Estado brasileiro? 
– A Venezuela não morreu. A rima é inevitável, verdadeira e o povo sofrido digno de compaixão – o espelho respondeu com realismo e piedade. 
– Então, você está dizendo que meu futuro é uma grande Venezuela? - indagou o Estado. 
– Depende, retrucou o espelho, as nações são diferentes, mas os destinos podem coincidir. Você toma das pessoas quase 40% da riqueza nacional, investe 1%, e os 39% vão para gastos correntes, tem um déficit nominal de 5% e uma dívida pública de acima de 70% do PIB. Você foi capturado pelo corporativismo, pelo patrimonialismo e pela corrupção. É um pau mandado do estamento burocrático que invade e dirige a esfera política, econômica e financeira. É um Brasil que pode mais do que trabalha e suga o Brasil anêmico que trabalha mais do que pode.

O Estado reagiu: 
– Então sou um monstro frio que compromete o futuro das criancinhas; que permite a violência dizimar a juventude; que humilha aposentados e é generoso com a minoria dos privilegiados? Ora, espelho, eu não sou filho de chocadeira, não sou produto de geração espontânea, sou esta criatura disforme, malévola, mas vocês me criaram a partir de seus defeitos e virtudes! 

O espelho, serenamente, prosseguiu: 
– É verdade! Você é reflexo dos nossos vícios e virtudes. Mais dos vícios: boquinhas, espertezas, jeitinhos, carteiradas. De fato, fez muito pelo País. Somos a oitava economia do mundo. Temos ilhas de excelências universalmente reconhecidas. Porém, o que você faz com as mãos desfaz com pesados pontapés. Basta olhar e comparar os indicadores internacionais para constatar nossas decepcionantes posições no contexto global.

– Entendi: não tenho salvação! Afundarei no pântano das misérias e levarei comigo uma nação que tem todas as possibilidades de ser próspera, mais justa e... 
– Não, interrompeu o espelho, você e o Brasil têm salvação, contanto que não se entregue o Brasil a um “salvador da pátria”, a um herói/malandro ou a um mito macunaímico; que não se jogue a culpa das nossas escolhas erradas em entidades fantasmagóricas; que prevaleça a sábia lição de Millôr Fernandes que ensina “quando as ideologias ficam bem velhinhas, elas vêm morar no Brasil”. As dores do parto ensinaram às novas gerações: o valor da liberdade, o valor da moeda estável e que empreender vale mais do que se tornar um “servo da gleba” estatal.     

Gustavo Krause foi ministro do Meio Ambiente.

Deixe seu Comentário

Comentários



ENTIDADES

  • award
  • award
  • award
  • award
  • award
  • award